quarta-feira, 17 de agosto de 2011

É fácil comprienderes o meu cansaço, os meus porquês, a minha desilusão, a minha dor e o meu sofrimento. Difícil é entender a tua indiferença, o teu desinteresse, o teu animo, a tua distância e as tuas razões. Não me peças para compriender as tuas acções e actos, não me peças para não confundir o passado com o presente, o presente com o futuro, pois para mim é exactamente igual. Estou dolorosamente no fundo, sofridamente sosinha. O amor não devia causar tanta dor, mas o caminho será sempre o mesmo... Amar dói tanto, dói sempre e sempre irá doer mesmo que estajamos felizes. Era tão bom poder comandar aquele pedacinho que existe ca dentro com o teu nome e dizer-lhe para saires, mas não, ele tem vida própria. Pior, vontade própria. Práticamente desde que nus conhecemos, no fundo fomos sempre um nós. Mas acabou, agora é diferente, agora vou-me habituar e ser «eu» e «tu», sem qualquer ligação. Estou desampontada por ter de ser assim, mas a vida não acaba quando um de nós se vai, ela apenas toma um rumo diferente ao qual teremos de aprender a vive-lo. Poderei ter sido uma melhor amiga, a melhor que tu já tives-te, mas não me peças para esquecer, para por um fim a este amor que sinto por ti, porque eu não sei pará-lo. Parece que presisas de uma amiga, mas esquece, jamais te voltarei a dar aquilo que agora optas-te por perder. Não presisas mais de um coração perdidamente apaixonado por ti, mas terás sempre. Mas como nunca soube separar bem as coisas, deixo aqui e agora a minha despidida que tudo aquilo que era a minha vida. Despeço-me sim, desta amizade que para mim sempre foi um orgulho, que agora nesse lugar estará um amor desiludido e perdido. Acredita que um dia irás presisar de um verdadeiro amigo e ai irás gritar por mim e eu já terei longe e não te irei ouvir, aí vais pedir desculpa e já será tarde demais... Tenho belos momentos para recordar, de tudo aquilo que vivemos juntos. Esses mesmo momentos irão alegrar as minhas noite, mas agora o futuro já não existe. Pedi, peço e irei pedir por muito tempo ao meu coração para que não fique triste. Mas ele esconde-se no fundo da minha alma e faz de conta que não me ouve. Amanhã serei apenas mais um alguém no caminho de um amor desencontrado.

2 comentários: