quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Eu podia estar a culpar-te por me sentir assim, podia culpar-te por sentir vontade de ir embora... Mas do que me adianta? Apenas o que me irias oferecer era compaixão, ou até nem isso. Seria apenas este o resultado que iria obter de ti com a minha forte melancolia. E para que queria eu a tua compaixão se ela para mim não é suficiente? A tua compaixão não ía fazer esta dor cá dentro diminuir, muito pelo contrario, iria doer ainda mais. Sabes, a culpa foi minha. Foi minha quando te inclui em todos os meus planos, quando vivi a nossa vida e esqueci que apesar de tudo, eu ainda tinha a minha vida e precisava cuidar dela para que no final, se tu fosses embora, eu ainda me teria. A culpa foi minha, sim. Apesar, de toda a primavera acabar, eu achei que tu fosses a primeira primavera da história que seria eterna. Que burra que fui. A partir daqui não vejas muito empenho da minha parte, pois, não sei como fazer-te voltar... Não vou mais admitir que ainda te amo ou que sinto a tua falta, isso já não te interessa. Agora, vou ter apenas de ignorar, fingir que não vi, que não li absolutamente nada. Mesmo que doa, e pelo meu bem. Se for para chorar, que seja sozinha, sem ninguém por perto a perguntar o que se passa... Porque eu queria que fosses tu a perguntá-lo, e sei que isso não vai acontecer. Mas, o mais estranho é que ainda tenho esperança ou medo que tu voltes por ti mesmo. E sabes porque? Porque, tu me amavas tanto. Ou então era eu, vivendo ilusões.

2 comentários:

  1. as coisas mas acontecem mas podem ter uma razão para seres mais forte

    ResponderEliminar
  2. Adoro! Beijinhos (:
    http://cantos-escuros.blogspot.pt/

    ResponderEliminar